Artigos

Artigos

Por:
Publicado em 16/09/2015 - Atualizado 07/02/2019

Câncer de próstata: Como saber se faço parte de um grupo de risco?

Câncer de próstata: Como saber se faço parte de um grupo de risco?

O câncer de próstata é o que mais acomete os homens no mundo, no Brasil a estimativa é de cerca de 69 mil novos casos por ano. Não se sabe ainda com exatidão a causa do câncer de próstata, mas pesquisas sugerem uma combinação de fatores hormonais, genéticos, alguns hábitos alimentares e condições ambientais como fatores de risco para desenvolver a doença.

Fatores que podem aumentar o risco de desenvolver câncer de próstata

Idade – O câncer de próstata é muito raro em homens com menos de 40, mas a chance de ter câncer de próstata aumenta rapidamente após os 50 anos. Aproximadamente 60% dos cânceres de próstata são diagnosticados em homens com mais de 65 anos.

Etnia – O câncer de próstata é mais frequente em homens de descendência africana do que em homens de outras etnias. Pessoas de raça negra são mais propensos a serem diagnosticados em estágio avançado.

Fatores regionais – O câncer de próstata é o mais comum na América do Norte, noroeste da Europa, Austrália e nas ilhas do Caribe. É menos comum na Ásia, África, América Central e América do Sul. As razões para isso não estão claras. O rastreamento intensivo em alguns países desenvolvidos, provavelmente, é responsável por pelo menos parte dessa diferença, mas outros fatores, como diferenças de estilo de vida tendem a ser importantes. Por exemplo, os homens de origem asiática têm um menor risco de câncer de próstata do que os americanos brancos, mas esse risco se iguala quando tais homens passam a viver em áreas de alta prevalência, como nos Estados Unidos.

Histórico Familiar – Ter um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata mais do que duplica o risco de um homem de desenvolver a doença. Tal risco parece ser acumulativo, assim, quanto mais parentes acometidos pela doença, maior o risco.

Genes – Algumas alterações genéticas hereditárias podem aumentar o risco de desenvolver mais do que um tipo de câncer. Por exemplo, mutações dos genes BRCA-1 ou BRCA-2 podem aumentar o risco de câncer de mama e de ovário, entretanto, as alterações nestes genes também podem aumentar o risco de câncer de próstata em alguns homens, mas isso representa uma porcentagem muito pequena dos casos da doença.

Dieta –  O exato papel da dieta no câncer de próstata ainda está sendo estudado. Os homens que comem muita carne vermelha, gordura de origem animal ou laticínios ricos em gordura parecem ter uma chance ligeiramente maior de ter câncer de próstata.

Obesidade – Acredita-se que homens obesos têm um risco maior de ter câncer de próstata mais agressivo.

Vale destacar que estar dentro de algum grupo de risco não significa que o homem irá desenvolver a doença. O surgimento do câncer pode ocorrer em um paciente que não pertença a nenhum desses grupos, ou ainda não acontecer em quem apresenta mais de um fator de risco.

O melhor a ser feito em relação ao câncer de próstata é sempre a prevenção. O câncer de próstata não apresenta sinais ou sintomas durante o desenvolvimento da doença, por isso a realização de exames regulares a partir dos 40 anos e alguns cuidados com a saúde irão prevenir o homem de várias enfermidades, não só do câncer.

Além disso, para viver de maneira saudável desenvolva uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e com menos gordura; pratique atividade física regular; mantenha o peso adequado à altura; diminua o consumo de álcool e não fume. O cuidado com a saúde garante mais bem estar e qualidade de vida, por isso, cuide-se!

 

Material escrito por:
- Urologista - CRM 5179 RQE 9107

Formado em medicina e mestre em ciências médicas pela UFSC, o Dr. Aguinel Bastian Júnior é doutor pela USP e desde sua especialização dedica-se ao estudo e tratamento onco-urológico. É membro da equipe do NeoUro – Núcleo de Estudos em Onco-urologia da Uromed.   Ver Lattes