Artigos

Artigos

Por:
Publicado em 14/06/2017 - Atualizado 07/02/2019

Disfunção erétil e doenças cardiovasculares: qual é a relação

Disfunção erétil e doenças cardiovasculares: qual é a relação

Segundo uma pesquisa feita pela Durex Global Sex Survey, 62% dos homens têm algum grau de disfunção erétil. A vergonha de “falhar” na hora H ou o medo do diagnóstico faz com que muitos deles deixem de investigar o que pode estar acontecendo ou só se preocupem com isso tardiamente. É aí que mora o perigo!

A disfunção erétil pode não ser um problema isolado, e sim, um sintoma de alguma outra doença que afeta a função sexual masculina, como as cardiovasculares.

De acordo com o Projeto Avaliar, homens que apresentam uma leve disfunção têm 6,5% de chance de desenvolvê-las, enquanto nos que nunca tiveram de lidar com questões relacionadas a ereção, a probabilidade da doença surgir é de 2,9%.

Disfunção erétil é reflexo das interferências no fluxo sanguíneo

A possibilidade de a disfunção erétil ter como causa as doenças cardiovasculares se deve ao fato de o processo de ereção envolver essencialmente a circulação sanguínea. O pênis depende do fluxo do sangue para aumentar de tamanho e enrijecer. O fluxo anormal para o órgão, que ocorre por consequência dos problemas circulatórios, é o que desencadeia a disfunção erétil.

Justamente pela dependência do sistema circulatório é que os fatores de risco para o aparecimento da disfunção erétil são os mesmos que estão relacionados às doenças do coração:

  • hipertensão;
  • diabetes;
  • obesidade;
  • colesterol alto;
  • tabagismo;
  • sedentarismo.

Caso o homem já conviva com algum deles, por exemplo, colesterol alto, tratá-los se torna ainda mais importante. Evitar que as doenças ou condições se agravem também é uma forma de impedir que o mesmo aconteça com a disfunção erétil ou, até mesmo, que se desenvolva.

Medidas que previnem

Homens que enfrentam fatores de risco e tiveram a função do órgão masculino comprometida alguma vez ou nunca vivenciaram essas situações podem cuidar da saúde sexual preocupando-se com a prevenção. A manutenção de bons hábitos de vida, como alimentação de qualidade, exercícios físicos  regulares, consumo moderado de  bebidas alcoólicas e evitar o uso de cigarros e drogas colaboram, e muito, para a preservação da ereção.

Nem sempre as falhas na função sexual masculina representam um problema. A ausência de ereção algumas vezes ao longo da vida é normal para qualquer homem. O importante é observar a frequência com que ocorre. Quando é sucessiva, por um longo período de tempo, vale investigar a causa com o urologista. O ideal é avaliar o estado geral de saúde com o especialista periodicamente. Esta é uma das principais medidas que ajudam a prevenir problemas futuros.

 

 

 

Material escrito por:
- Urologista - CRM 9576 RQE 6654

Graduação em Medicina pela UFPel – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas – RS (2001) Residência Médica em Cirurgia Geral pelo HSJ – Hospital São José, Criciúma – SC (2003) Residência...