Artigos

Artigos

Por:
Publicado em 04/05/2016 - Atualizado 07/02/2019

É possível realizar apenas o exame de sangue para detectar o câncer de próstata?

É possível realizar apenas o exame de sangue para detectar o câncer de próstata?

Existem dois exames que ajudam a diagnosticar o câncer de próstata: o exame de sangue para verificar a dosagem de PSA (antígeno prostático específico) no organismo e o exame de toque retal. A partir dos 50 anos todo homem deve realizar os exames para detecção precoce do câncer. Para quem tem casos da doença na família, a recomendação é de que inicie o acompanhamento com o urologista aos 40 anos, pois a hereditariedade é um dos fatores de risco para a neoplasia.

Como o exame de toque retal é rodeado de preconceitos, é comum os homens que precisam iniciar a rotina de cuidados para evitar ser pego de surpresa pela doença chegar na consulta com o médico querendo realizar apenas o exame de sangue, deixando para fazer o exame de toque retal caso se perceba alguma alteração. Isso é possível, certo?

Diagnóstico do câncer de próstata

Na verdade, não. O exame de toque e o exame de PSA devem ser feitos anualmente pelos homens e um exame não exclui o outro. Pelo contrário, os dois são complementares e eficazes no diagnóstico do câncer de próstata. Há situações em que o câncer é detectado pelo toque e outras em que o diagnóstico é descoberto na realização do PSA. As chances de cura são de até 95% quando a doença é detectada antes que surjam os primeiros sintomas.

Um dos motivos pelos quais a verificação do nível de PSA no sangue não pode ser o único a ser feito para detecção do câncer de próstata é o fato de não haver um valor único de PSA considerado como normal, pois os níveis do antígeno prostático específico no sangue pode variar entre os homens e aumentar ao longo da vida. Também não existe um simples valor de corte que separa os pacientes com e sem câncer de próstata.

Por isso, é importante a avaliação do médico urologista. Somente o profissional saberá dizer se o exame está de acordo com o esperado ou não. A avaliação médica provavelmente levará em consideração o tamanho da próstata, estilo de vida do paciente, hábitos alimentares e esportivos, a idade, a existência de casos de câncer de próstata na família entre outros fatores que são predominantes para o surgimento da doença.

Só os exames são suficientes?

Ir ao médico de acordo com o recomendado é essencial para qualquer pessoa que quer cuidar da própria saúde. Mas não é a única forma de os homens prevenirem-se do câncer de próstata, por exemplo. Há cuidados que podem ser adotados ao longo da vida que podem colaborar com uma vida mais saudável.

Um condicionante importante é a alimentação. Dietas com base em gordura animal, carne vermelha, embutidos e cálcio têm sido associadas ao aumento no risco de desenvolver câncer de próstata. Além disso, a obesidade também é apontada no aumento do risco de desenvolver a doença, em especial para aquelas de comportamento mais agressivo. Em contrapartida, é possível que dietas ricas em vegetais, vitaminas D e E, licopeno e ômega-3 sejam capazes de conferir algum efeito protetor contra o câncer de próstata.

Enfim, o que os homens fizerem em benefício próprio para ter uma vida com mais saúde vai ajudá-los a viver mais e melhor, permitindo um tempo de convívio muito maior com quem os ama. Isso, por si só, já é motivo mais do que suficiente para combater e prevenir o câncer de próstata.

 

Material escrito por:
- Urologista - CRM 5179 RQE 9107

Formado em medicina e mestre em ciências médicas pela UFSC, o Dr. Aguinel Bastian Júnior é doutor pela USP e desde sua especialização dedica-se ao estudo e tratamento onco-urológico. É membro da equipe do NeoUro – Núcleo de Estudos em Onco-urologia da Uromed.   Ver Lattes