Artigos

Artigos

Por:
Publicado em 05/12/2020

Consulta com o urologista: particularidades para homens e mulheres

Consulta com o urologista: particularidades para homens e mulheres

A consulta com o urologista é essencial para cuidar da saúde tanto da mulher quanto do homem.

Infelizmente, sabemos que os homens têm mais dificuldades para procurar ajuda médica. Fato que fica ainda mais evidente quando a consulta é com o urologista, área que é rodeada de preconceitos.

Isso ocorre porque a primeira relação que se faz é com o exame de toque retal, que auxilia na detecção do câncer de próstata.

Mas a urologia é muito mais do que isso! Ela é uma especialidade cirúrgica da medicina que trata do sistema reprodutor masculino, mas também cuida do trato urinário de homens e mulheres.

Por isso, está enganado quem acredita que o urologista é ‘médico de homem’. Muitos problemas urológicos femininos são tratados por esse especialista. Para além do gênero, o especialista acompanha pacientes desde a vida uterina, com a urologia pediátrica, até a terceira idade, com a urogeriatria – ambas subespecialidades focadas na saúde do trato urinário de crianças e idosos.

Continue lendo o nosso artigo e saiba mais sobre o atendimento com urologista!

Consulta com urologista para mulheres

A consulta feminina com o urologista evita que o diagnóstico das principais doenças do trato urinário feminino, como a cistite, seja tardio.

Aliás, as infecções e a incontinência urinária são os principais problemas urológicos que as levam ao consultório do especialista.

A maioria das consultas acontece após a chegada da menopausa, fase da vida em que cerca de 50% das mulheres têm problemas na bexiga.

Mas a visita ao médico pode ser feita mais cedo, já que está apto a atendê-las em todas as fases da vida.

Desde a infância a mulher pode ter problemas no aparelho urinário. Ela pode ir direto ao urologista sempre que surgir um sinal de irregularidade nessa área, não precisando ser indicada por outro médico para isso.

Infelizmente, é comum que elas apenas agendem consultas com o urologista após a indicação de outros profissionais da medicina, como o clínico ou o ginecologista.

Normalmente, isso ocorre quando o problema que originou a primeira consulta já está mais grave ou o diagnóstico precisa ser concluído. Essa cultura precisa mudar.

Para isso, é importante saber quais doenças femininas podem ser tratadas no atendimento com o urologista.

Incontinência Urinária

É a perda involuntária de urina, comum entre mulheres de meia-idade e idosas. A doença é bem recorrente. De acordo com o Hospital Sírio Libanês, estima-se que mais de 8 milhões de brasileiros sofram dessa condição.

A incontinência urinária tem tratamento e pode não precisar de cirurgia. Um diagnóstico precoce por um urologista é capaz de promover qualidade de vida e evitar tratamentos mais invasivos.

Infecção Urinária

Pode ser causada por bactérias, fungos e vírus, que se multiplicam até o tratamento correto ser prescrito. Se a infecção urinária não for tratada, pode atacar qualquer nível do aparelho urinário, desde a bexiga, causando cistite, até os rins, causando pielonefrite – uma inflamação renal.

Bexiga Hiperativa

Caracteriza-se pela vontade incontrolável de urinar. A bexiga hiperativa é mais comum em mulheres pelo seu trato urinário ser menor que do homem.

Cistite Intersticial

É a inflamação crônica da bexiga, também conhecida como síndrome da bexiga dolorosa, pois se manifesta pela dor pélvica constante. O tratamento só pode ser definido após um atendimento com urologista e pode incluir medicamentos, restrições alimentares e procedimentos cirúrgicos.

Pedra nos Rins

É a formação de cálculos nos rins por um processo biológico, mais recorrente no adulto jovem. Dietas ricas em proteínas, sal e hidratos de carbono aumentam as chances de formação das pedras. O tratamento pode ser cirúrgico, por via aberta, laparoscópica ou com laser.

Vale ressaltar que após ter pedra nos rins, há uma possibilidade de 5 a 10% de haver reincidência dentro de cinco anos. Após esse período, o risco diminui. Há ainda quem desenvolva esse quadro durante o resto da sua vida.

Atendimento com urologista para homens

Conseguir fazer com que um homem marque uma consulta médica para cuidar da saúde é um desafio que as famílias e a sociedade estão tentando vencer. Uma pesquisa feita em 2019 pelo Instituo Lado a Lado pela Vida, criador da campanha Novembro Azul, aponta que 58% dos usuários do SUS não vão ao urologista.

A mesma pesquisa aponta que apenas 27% dos homens vão ao médico ao menos uma vez por ano.

Só quando atingem a idade indicada para verificar o risco de câncer de próstata, aos 50 anos, é que eles se dispõem a comparecer em uma consulta médica.

Antes disso, se surgem problemas como disfunção erétil, por exemplo, a automedicação é muito comum.

Poucos sabem que isso pode ser um sintoma da andropausa, denominação popular dada para o distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (DAEM).

O acompanhamento médico preventivo evita que as doenças sejam diagnosticadas tardiamente. Também torna maior a chance de se manter saudável.

O acompanhamento clínico pode ser realizado em todas as faixas etárias, já que, em cada uma delas, há uma necessidade específica:

3 e 5 anos

É quando os pediatras avaliam a necessidade de uma possível cirurgia de fimose. O procedimento só deve ser realizado após o atendimento com o urologista.

12 aos 18 anos

O urologista avalia o desenvolvimento dos órgãos genitais, faz a prevenção e tratamento de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), verifica as disfunções miccionais (que podem surgir nessa faixa etária) e orienta sobre a vida sexual masculina.

20 aos 49 anos

O homem deve procurar o urologista para manter a prevenção ou tratamento de DSTs, além de iniciar a prevenção contra o câncer de testículo, que pode surgir nesse período.

40 aos 50 anos

É o período em que o homem deve começar a consultar um urologista anualmente.

Para aqueles que possuem histórico familiar, a partir dos 40 anos é necessário começar a prevenção contra o câncer de próstata.

Já aqueles que não possuem, a prevenção pode se iniciar a partir dos 45 anos.

Essa prevenção é essencial para que a doença seja identificada nas fases iniciais e que o tratamento tenha mais eficiência.

Nessa fase também já é possível começar a prevenir outros tipos de doenças realizando exames como:

  • testes cardiológicos;

  • de sangue (para avaliar colesterol, triglicerídeos e glicemia);

  • exames clínicos específicos, como o de pulmão em fumantes.

A partir dos 50 anos

Além de se manter a prevenção do câncer, o urologista pode auxiliar em problemas comuns nessa faixa etária, como:

  • tratamento do crescimento benigno da próstata (hiperplasia prostática benigna – HPB);

  • problemas na bexiga e rins;

  • prevenção de cânceres masculinos e

  • prevenção e tratamento de disfunções sexuais.

Esse especialista tem um grande papel na saúde masculina e é preciso que as consultas sejam vistas sem preconceitos!

A importância da urogeriatria

O atendimento com urologista é fundamental tanto para homens e mulheres durante sua vida, mas essa importância fica ainda maior durante a terceira idade.

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, por exemplo, o risco de infecções do trato urinário quase duplica em pessoas com mais de 80 anos.

Esse aumento expressivo está diretamente ligado com a imunodeficiência, que é comum na terceira idade, a imobilidade e a presença de outras doenças sistêmicas.

Além disso, há muitas mudanças no corpo e no sistema urológico do idoso. Na mulher, por exemplo, podemos destacar:

  • redução na capacidade vesical;

  • enfraquecimento natural do assoalho pélvico;

  • contaminação fecal;

  • queda dos níveis hormonais e

  • mudanças na secreção vaginal.

Já nos homens, a principal causa desses problemas está relacionada com o aumento prostático.

Vale ainda ressaltar que as infecções urológicas em idosos podem apresentar maior resistência pelo uso prévio de antibióticos.

Além desse risco, também há o aumento na incidência de outras doenças. Segundo o INCA, nove a cada dez casos de câncer de próstata no Brasil são de homens com mais de 55 anos.

Dessa forma, fica evidente a importância de consultas periódicas para a checagem e, caso necessário, o tratamento de doenças durante todo o período de vida.

Conte conosco para ter um atendimento com urologista de qualidade. Conheça a nossa equipe e marque sua consulta em Florianópolis!

 

Material escrito por:
- Urologista - CRM 8402 RQE 4270

Formado em medicina pela UFSC, o Dr. Luís Felipe Piovesan é especialista em urologia pela Fundació Puigvert, Barcelona, e doutor em urologia pela USP. É coordenador científico do Hospital Governador Celso Ramos e foi vice-presidente da Sociedade Brasileira de Urologia, secção SC. Seus principais interesses são a urologia oncológica e tumores urológicos.   Ver Lattes