Artigos

Artigos

Por:
Publicado em 25/01/2018 - Atualizado 07/02/2019

A vasectomia pode falhar?

A vasectomia pode falhar?

Uma preocupação frequente dos homens é se a vasectomia pode falhar. O fato é que qualquer procedimento utilizado como meio de contracepção tem chance de não dar certo. O risco maior disso ocorrer, no caso da vasectomia, é:

  1. nos primeiros dias, após a cirurgia;
  2. um tempo depois, devido à recanalização espontânea dos canais que foram separados durante o procedimento.

A vasectomia é um procedimento cirúrgico que tem como objetivo a esterilização definitiva do homem. O procedimento interrompe permanentemente a passagem usada pelos espermatozoides para chegar ao sêmen. Dessa forma, o esperma que o homem ejacula deixa de conter os gametas masculinos, responsáveis pela fecundação do óvulo.

Casos em que a vasectomia pode falhar

No caso de a falha na vasectomia ocorrer alguns dias depois do procedimento, o que acontece não é um problema na cirurgia em si. Deve-se mais à permanência de alguns espermatozoides na parte do canal que continua com acesso ao sêmen.

Para ficar mais fácil de entender, tente imaginar dois canudos, por onde está passando areia. Essa areia vai se encontrar com a água, na outra ponta. Agora, tente visualizar o que acontece se, enquanto a areia está passando, alguém corta os canudos no meio? A areia recém colocada no canudo, quando chega na parte em que foi feito o corte, é derramada em outro local, certo? Enquanto a areia que já estava próxima à água concluiu o percurso ou permanece acumulada no interior do canudo até ter a chance de entrar em contato com a água.

É mais ou menos isso que acontece na vasectomia. Os espermatozoides novos, produzidos depois da cirurgia, percorrem os canais somente até a região do corte e se perdem no organismo porque não há mais a ligação natural. Mas os espermatozoides que já estavam no canal no momento da cirurgia, perto de ter contato com o sêmen, permanecem no local, esperando o momento da ejaculação.

Cuidados depois da cirurgia

É por isso que os médicos indicam aos homens usarem  outro método contraceptivo nas primeiras relações sexuais que terão com as parceiras logo após a realização do procedimento. Em geral, os especialistas recomendam aos pacientes que ejaculem cerca de 15 a 30 vezes para, somente um tempo depois, realizar um espermograma para verificar a ausência de gametas no esperma. Ao ser confirmada a inexistência dos espermatozoides, o homem é liberado para se relacionar sexualmente sem o uso de qualquer método contraceptivo.

Na outra situação em que a vasectomia pode falhar, ocorre a recanalização espontânea, ou seja, o organismo encontra meios de reconectar os canais. Nos poucos casos registrados, o reencontro natural dos canais aconteceu no primeiro ano da cirurgia. Apesar de a chance de haver a reconexão ser mínima, o correto, para garantir que a vasectomia segue sendo efetiva, é repetir o exame de espermograma 12 meses depois da realização do procedimento cirúrgico.

 

Material escrito por:
- Urologista - CRM 4117 RQE 3175

Graduação em Medicina pela UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina (1985) Residência médica em urologia pelo HGCR – Hospital Governador Celso Ramos (1988) Estágio em Urologia no hospital das...