Artigos

Artigos

Por: - Cirurgiã Pediátrica - CRM 9020 RQE 6364
Publicado em 09/06/2017

Disfunções miccionais e a relação com as doenças neurológicas

Disfunções miccionais e a relação com as doenças neurológicas

Indivíduos com algum tipo de doença neurológica estão mais propensos a ter disfunções miccionais. Há diversas condições relacionadas aos problemas de armazenamento e esvaziamento da bexiga, causadas por disfunções vesicais e esfincterianas. Pessoas com essas alterações urinárias de origem neurológica são portadoras de Bexiga Neurogênica.

As doenças neurológicas, tais como um acidente vascular encefálico (AVE ou AVC), esclerose múltipla, diabetes, doença de Parkinson, demências (como doença de Alzheimer) e lesões da medula espinhal (traumatismos raquimedulares) são alguns exemplos de neuropatias que podem afetar o trato urinário inferior e resultar em condições tais como incontinência urinária, hiperatividade da bexiga e retenção urinária.

Algumas neuropatias congênitas podem se manifestar já no nascimento, como mielomeningocele, cujo tratamento precoce e muitas vezes multiprofissional é fundamental para o desenvolvimento sadio da criança.

Anormalidades neurológicas menos acentuadas, como alterações do sistema nervoso sensorial, também podem causar problemas urológicos e causar distúrbios de dor ao urinar, dores pélvicas ou alteração da frequência urinária (como a síndrome da bexiga dolorosa, também conhecida por síndrome da dor pélvica crônica).

Problemas nos sistema urinário podem ser o primeiro sinal de doenças neurológicas

A uroneurologia (neuro-urologia) é o ramo da urologia que avalia e trata as doenças do sistema nervoso (neuropatias) e suas consequências sobre o sistema genitourinário, além das condições que causam alteração da frequência urinária. Tem como ferramenta diagnóstica fundamental o estudo urodinâmico, exame realizado pelo urologista e que avalia o funcionamento do trato urinário inferior.

O diagnóstico preciso é fundamental para a definição do programa de reabilitação e o prognóstico. Há casos em que a queixa urinária é a primeira manifestação das doenças neurológicas que resultam em disfunções miccionais. O médico especialista em uroneurologia faz o levantamento do histórico da doença neurológica e o exame físico já na primeira consulta do paciente para poder estabelecer as possíveis causas. São considerados:

  • os hábitos anteriores e atuais;
  • a história das perdas urinárias;
  • a frequência, urgência, manobras que desencadeiam a micção;
  • intensidade do jato urinário;
  • tratamentos prévios;
  • principais sintomas;
  • vida sexual;
  • medicações utilizadas;
  • os exames laboratoriais;
  • o estado emocional.

O exame físico é iniciado com a avaliação do abdômen para detecção de distensão vesical, massas e dores. Depois, é realizada a avaliação específica da região genital e perineal. Um exame neurológico sucinto também deve ser feito para avaliar a sensibilidade e o reflexo na região perineal e genital, assim como o tônus do esfíncter anal. Pessoas nessas condições devem ter  assistência contínua do médico especialista.

As disfunções miccionais podem ter consequências no aparelho urinário, tais como a incontinência urinária ou a retenção urinária prolongada, com grande impacto na qualidade de vida. Precisam ser devidamente diagnosticadas para que não gerem consequências permanentes no trato urinário superior, como infecções urinárias de difícil tratamento e insuficiência renal de caráter irreversível, com impacto não só na qualidade de vida, mas também na mortalidade.

Fonte: http://docplayer.com.br/8558411-Assistencia-a-pessoas-com-disfuncoes-miccionais-guia-de-orientacao-para-profissionais-e-gestores.html

 

Material escrito por:
- Cirurgiã Pediátrica - CRM 9020 RQE 6364

A Dra. Eliete Colombeli é formada em medicina pela UFSC, onde também é professora. A médica é supervisora do programa de residência médica em cirurgia pediátrica Hospital Infantil Joana de Gusmão. Seus principais interesses são a urologia pediátrica e a cirurgia pediátrica.   Ver Lattes